Sua história

Nicolau de Flüe ou Bruder Klaus nasceu em Sachseln, no cantão de Unterwald, na Suíça, em 1417. “Jovem casto”, bom, piedoso e sincero, também tinha outra nota dominante nesse privilegiado santo é a constância no humor, bondade de coração e suavidade de trato, que atraíam todos seus concidadãos.

Em 1446, Nicolau foi defender seu cantão na batalha de Ragaz. Recebeu medalha de ouro na guerra por demonstrar tanta bravura . Durante a guerra, levava a espada numa das mãos e o terço na outra sempre com muita coragem.

Casou-se com uma conterrânea virtuosa, Dorotéia Wyss e tiveram dez filhos( cinco homens e cinco mulheres).

Nunca abandonava o rosário, mesmo em serviço no campo, sempre rezava. O amor às coisas celestes e algumas visões que teve fizeram reavivar em Nicolau o desejo de se dedicar exclusivamente a Deus. Estava chegando aos 50 anos, os filhos estavam praticamente criados, e não havia mais tempo a perder. Procurou sua virtuosa esposa e explicou-lhe a vocação que Deus tão prementemente lhe dava, suplicando-lhe liberdade para segui-la. Estavam casados havia 20 anos, tinham numerosa prole com alguns filhos ainda pequenos. Mas a heróica mulher, conhecendo bem seu marido e sabendo que não se tratava de um fervor passageiro ou fantasia, com uma resignação tranqüila consentiu, prometendo terminar de educar os filhos no temor e amor de Deus.
Com exceção da abnegada Dorotéia, todos os parentes foram contra essa idéia que lhes pareceu estapafúrdia, inclusive os dois filhos mais velhos, se bem que só momentaneamente.
No dia 16 de outubro de 1467, tendo posto em ordem seus negócios e dividido seus bens, Nicolau apareceu diante dos parentes e amigos descalço, com longa túnica de peregrino, bastão numa das mãos e o terço na outra. Agradeceu o bem deles recebido e pediu perdão por alguma falta involuntária. Exortou a todos a temerem a Deus e a jamais esquecerem seus mandamentos. Depois, dando a bênção a todos, partiu, com o coração dilacerado pela afeição ao que deixava.